ZONA NORTE TERÁ MAIOR VALORIZAÇÃO COM LINHA 6

Com um dos Índice de Desenvolvimento Humano (IDHs) mais baixos da cidade de São Paulo, de 0,769, 0 bairro Brasilândia deve sofrer uma verdadeira transformação nos próximos anos com a chegada de uma estação da linha 6-Laranja do metrô.

O início das obras está previsto para o primeiro semestre do ano que vem, mas o anúncio de que o bairro seria beneficiado aguçou o interesse das construtoras, que já estão investindo na região. E demanda é o que não falta. As 238 unidades do Aquarela 1 e 2, da Itaplan, foram vendidas pela Lopes em 120 dias. Com apartamentos de 47 a 66 m², os empreendimentos fizeram parte do programa federal Minha Casa, Minha Vida, que dá subsídios para compradores de baixa renda. “Vendemos tudo de julho a novembro do ano passado”, diz Cyro Naufel, presidente da Itaplan.

Gatilho

Mais carentes de transporte público e infraestrutura, os bairros da zona norte serão os mais valorizados pelos 15,9 quilômetros da linha 6-Laranja. Segundo a Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), o preço do metro quadrado deve subir 30% e continuar se elevando por até cinco anos após a inauguração das estações, já que a chegada do metrô atrai outros investimentos para o bairro.

Placas de Transito do Brasil
“Todo esse eixo ainda é pouco verticalizado. Toda vez que uma linha é desenhada, há uma procura crescente por terrenos e um aumento significativo de lançamentos”, afirma João Henrique, diretor de atendimento da Lopes.  “O início das obras é o gatilho da valorização, que vai aumentando à medida que as obras vão avançando. As construtoras vão investir nessas regiões e a tendência é de elas mudarem de cara”, garante o presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Claudio Bernardes.

Freguesia

Bem mais desenvolvida do que a Brasilândia, a Freguesia do Ó ficará ainda mais verticalizada e atrairá o interesse de uma classe média que não consegue arcar com o preço do metro quadrado do outro lado da Marginal Tietê.

O condomínio Matriz, da Even, já está praticamente todo vendido. São apartamentos de 64 a 69m², de dois e três dormitórios, na Rua da Bica, próximo à Igreja Matriz.

A Tecnisa também já vendeu boa parte do condomínio Viverde, na Avenida Petrônio Portela. Lançados em julho de 2012, os apartamentos de três quartos medem 81m² e custam R$ 489 mil. A Lopes também comercializou três lançamentos na Freguesia do Ó.

Assim como Brasilândia e Freguesia do Ó, a Vila Cardoso e Vila Penteado também devem chamara atenção das construtoras e sofrer uma transformação por conta da passagem da linha 6-Laranja. “A proximidade com o metrô hoje em dia é uma âncora de venda maior do que uma varanda gourmet, sauna ou piscina”, compara Luiz Paulo Pompéia diretor presidente da Embraesp. Sabendo disso, a busca por terrenos nessas regiões já começou.

Segundo estudo da Lopes, 63% dos futuros lançamentos residenciais estão em um raio de até i km do metrô. No caso dos empreendimentos comerciais, esse número sobe para 80% e, para hotéis, é de 100%.

De janeiro de 2009 a setembro de 2009, a Lopes participou do lançamento de 100 empreendimentos residenciais, 23 comerciais e um hotel nos bairros que serão cortados pela Linha 6 do metrô.  Há ainda 21 prédios residenciais e oito comerciais previstos para sair até 2015. “Todo mundo busca facilidade de acesso e uma estação de metrô próxima é um valor muito grande”, diz João Henrique, da Lopes.

A valorização nos bairros se dá por conta de dois vetores, o público e o privado. No caso, o metrô é um meio de transporte de massa eficiente e induz à elevação dos preços dos imóveis. Após a sua conclusão, há um investimento privado, que valoriza ainda mais a região. “Depois há a valorização natural em função do que foi implantado no bairro por conta do metrô”, afirma o presidente do Secovi-SP.

Público

Os lançamentos nessas regiões devem atrair um público jovem, que precisa uma mobilidade maior e está comprando o primeiro imóvel. São compradores na faixa etária entre 30 e 40 anos. “Normalmente, quem procura imóveis perto do metrô são jovens e casais que buscam uma boa localização e tem estilo de vida mais prático”, afirma Marcelo Dzik, diretor de incorporação da Even.

O perfil desses imóveis costuma ser de dois a três dormitórios, com pelo menos uma vaga de garagem. São apartamentos menores, mas que estão bem localizados e dispõem de ampla oferta de serviço.

Publicado originalmente no OESP.

Anúncios

Fale com Edmar Junior:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s