NOVO TETO DO FGTS PARA COMPRA DE IMÓVEL PODE LEVAR A QUEDA DE JUROS

Por Tatiana ResendeToni Sciarretta | Folha de São Paulo

O teto maior para o uso do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) na compra do imóvel, que passou de R$ 500 mil para R$ 650 mil ou R$ 750 mil, dependendo da região, deve levar a uma redução nas taxas de juros.

Caixa Econômica Federal, Bradesco, Banco do Brasil e HSBC confirmaram ontem que vão estender as condições que valiam para moradias de até R$ 500 mil para aquelas de até R$ 750 mil, que agora se enquadram no SFH (Sistema Financeiro de Habitação). Santander e Itaú ainda estudam se haverá alteração.

Por lei, o SFH tem juros limitados a 12% ao ano mais TR (Taxa Referencial) e engloba os financiamentos que usam recursos do fundo e da poupança.

Acima do teto, as taxas são livres, já que as instituições financeiras usam recursos próprios para bancar os financiamentos, mas também estavam abaixo desse patamar (veja quadro abaixo).

Isso quer dizer que os bancos tinham uma “gordura” para manter as taxas praticadas para os imóveis de R$ 500 mil a R$ 750 mil mesmo que agora essas moradias se enquadrem nas regras do SFH.

Editoria de Arte / Folhapress

Editoria de Arte / Folhapress

Na avaliação de Octavio de Lazari Junior, presidente da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), “o mercado está muito competitivo”, logo a tendência é que os juros fiquem menores também para esse público.

A Caixa, que detém mais de 70% do crédito imobiliário no país, criou uma faixa intermediária para contemplar os clientes que querem comprar imóveis entre o teto anterior do SFH e o atual.

Atualmente, a menor taxa do mercado é do banco estatal –7,7% ao ano mais TR, mas ela não está disponível para moradias nesse intervalo de preço.

RENDA MENSAL

“Não acreditamos em um superaquecimento do crédito imobiliário para essa faixa até porque, para financiar, é preciso ter uma renda mensal [familiar] em torno de R$ 20 mil”, afirma Teotônio Rezende, diretor da Caixa.

O parecer técnico usado nas discussões da equipe econômica do governo mostra que só 0,3% dos cotistas do fundo se enquadram na faixa de renda compatível com os novos tetos e, para que os saques adicionais se aproximem de R$ 1 bilhão ao longo de um ano, todos teriam que fazer uso dos recursos.

Para João da Rocha Lima Jr., coordenador do núcleo de mercado imobiliário da Poli-USP, em tese, a mudança no FGTS poderia levar a um aumento no valor dos imóveis porque a demanda deve crescer.

“Mas não acredito nisso porque os preços já estão elevados e há um estoque grande nas construtoras”, ressalta o especialista.

Colaborou Sheila D’Amorim, de Brasília

———-//———-

Se você busca lançamento imobiliário para uso pessoal ou investimento fale com Parlare!
Intermediação: Parlare

Contato - Borda - Blog do Parlare

Envie sua mensagem (dúvida, solicitação etc.) através do formulário abaixo:

Se preferir, envie sua mensagem via WhatsApp ou fale com Parlare por telefone:

Logo WhatsApp Parlare


Visite e CURTA a FAN PAGE do Blog do Parlare no Facebook!!!

CURTA a FAN PAGE do Blog do Parlare no Facebook!!!


Visite também:

Logo Site Imobiliario do Parlare

Anúncios

Fale com Edmar Junior:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s